Transmissão da Santa Missa da Juventude - Todos os Sábados 19:30

segunda-feira, 17 de abril de 2017

Celebração da Vigilia Pascal na Catedral de Campina Grande

Vigília Pascal é marcada por emoção e renovação da fé para centenas de fiéis presentes na Catedral Diocesana.
A Catedral Diocesana de Nossa Senhora da Conceição celebrou na noite desse sábado, 15, a Vigília Pascal. A Missa foi presidida pelo Arcebispo eleito da Paraíba, Dom Manoel Delson, pelo Pároco Luciano Guedes e pelo Vigário Van Victor.
A leitura da Palavra, por ocasião da Vigília Pascal, foi composta por quatro reflexões. Na primeira leitura sobre o livro do Gênesis entendemos como Deus Criou o mundo e todas as criaturas existentes, fazendo do homem sua imagem e semelhança. Em uma segunda leitura, ainda do livro do Gênesis, conhecemos a prova que Deus aplicou sobre a fé de Abraão, que pediu para que sacrificasse seu único filho, Isaac. Daí compreendemos a dimensão da obediência de Abraão à Deus.
Na leitura do livro do Êxodo conhecemos a marcha dos filhos de Israel pela busca da libertação dos domínios egípcios, povos esses que estavam escravizados, e Moisés, ao comando de Deus, os libertou das amarras dos egípcios. Na última leitura ouvimos sobre a carta de São Paulo aos Romanos que descreve o sentido do Batismo, o significado desse sacramento que feito em Jesus, nos torna assim como Cristo, um ressuscitando para uma vida nova.
A imagem pode conter: uma ou mais pessoas, multidão e área internaO Evangelho de Mateus nos revelou, como o anjo do Senhor avisou a Maria Madalena e a outra Maria sobre a ressurreição de Jesus. Momento que encheu de alegria as mulheres e os discípulos. Cumprindo-se assim, o que Cristo já havia anunciado.
Na homilia, o Arcebispo Eleito Dom Delson iniciou seu discurso com a frase: Alegrai-vos no Senhor! Essa é a noite da nossa grande alegria. Deixando claro que Deus faz maravilhas do nada, assim como a aliança traçada entre Deus e Abraão fincada na confiança, esse é um momento de renovação da nossa fé. "Deus foi agindo ao longo da história, enviando seus profetas e criando alianças para realizar seus planos de amor na vida do seu povo. A ressurreição de Jesus é o símbolo definitivo de Deus, Fonte eterna de vida" completou Dom Delson.
A Vigília Pascal, para além da continuação da trajetória da morte de Jesus, detém o poder de renovar nossas forças diante de todas as aprovações que enfrentamos ao longo desse período quaresmal. Deus nos faz nova criatura, transformando tudo em graça. Que possamos, a partir desse momento Pascal, confiar naquele que criou o mundo e enviou seu filho para entregar-se por nós.
A imagem pode conter: 2 pessoas, área internaNa ocasião foram batizados quatro jovens: Airlla Souza, Luís Flávio da Silva, Mércio Francklin e Washington Almeida. Com o sacramento do Batismo sobre cada um deles, toda a igreja presente assumiu o compromisso de caminhar na fé católica, lutando pela caridade e pelo amor. O reflexo mais puro da fé é humanizar a cada um, seguindo os ensinamentos que o Senhor nos deixou.
A lição que herdamos de todo esse período de reflexão, em especial depois da Vigília Pascal, é que independente das tormentas que enfrentamos, Deus estava ao nosso lado, alimentar a fé no Criador é um tarefa árdua que exige renúncia aos nossos vícios, autocrítica para modificarmos nossa visão sobre o mundo, e principalmente, enxergar no nosso semelhante o Jesus ressuscitado. Assim, conseguiremos viver uma verdadeira Páscoa.
Texto : Fernando Nascimento (Pascom Catedral)
Fotos: Pascom Catedral

Catedral de Nossa Senhora da Conceição reúne milhares de fiéis na celebração da Páscoa do Senhor

A Catedral Diocesana de Nossa Senhora da Conceição celebrou na manhã desse domingo, 16, a tradicional Missa de Páscoa. A solenidade foi presidida pelo Arcebispo eleito da Paraíba, Dom Manoel Delson, concelebrada pelo Pároco Luciano Guedes, Monsenhor Antônio Apolinário e o Vigário Van Victor.
O Evangelho de João 20, 1-9 nos descreveu:
1 No primeiro dia da semana, Maria Madalena foi ao túmulo de Jesus, bem de madrugada, quando ainda estava escuro, e viu que a pedra tinha sido retirada do túmulo.
2 Então ela saiu correndo e foi encontrar Simão Pedro e o outro discípulo, aquele que Jesus amava, e lhes disse: “Tiraram o Senhor do túmulo, e não sabemos onde o colocaram”.
A imagem pode conter: 4 pessoas, pessoas em pé e casamento
3 Saíram, então, Pedro e o outro discípulo e foram ao túmulo. 4 Os dois corriam juntos, mas o outro discípulo correu mais depressa que Pedro e chegou primeiro ao túmulo. 5 Olhando para dentro, viu as faixas de linho no chão, mas não entrou.
6 Chegou também Simão Pedro, que vinha correndo atrás, e entrou no túmulo. Viu as faixas de linho deitadas no chão 7 E o pano que tinha estado sobre a cabeça de Jesus, não posto com as faixas, mas enrolado num lugar à parte.
8 Então entrou também o outro discípulo, que tinha chegado primeiro ao túmulo. Ele viu, e acreditou.
9 De fato, eles ainda não tinham compreendido a Escritura, segundo a qual ele devia ressuscitar dos mortos.
Na homilia, Dom Manoel Delson falou que o verdadeiro sentido da Páscoa ultrapassa o entendimento humano, exige de cada cristão uma nova forma de viver, procurando nos direcionamentos da fé seguir o que Jesus nos pede, ser caridosos, ter humildade e buscar sempre o amor. O modelo de vida que devemos seguir deve ser baseado na figura do Cristo ressuscitado, nos rendendo na graça de Deus para sermos transformados.

Texto e foto: Pascom Catedral 

sábado, 15 de abril de 2017

Celebração da Paixão de Cristo e Procissão do Senhor Morto Marcaram a Sexta-feira Santa na Catedral Diocesana

A Catedral Diocesana de Nossa Senhora da Conceição realizou na tarde dessa Sexta-feira Santa, 14, a celebração da Paixão de Cristo. O momento foi conduzido pelo Administrador Diocesano, Dom Manoel Delson, pelo pároco Luciano Guedes e pelos Vigários Van Victor e Mons. Antônio Apolinário.

Na primeira leitura as palavras do profeta Isaías que descreveu o sofrimento do filho de Deus. A segunda leitura da carta de São Paulo aos Hebreus demonstra como Jesus pode ser visto, sendo Cristo o sacerdote que entrou no céu e se compareceu de nossas fraquezas.

O Evangelho de João revelou como aconteceu a Paixão de Cristo, desde a traição de Judas até as imolações que Jesus entregou ao ser entregue aos soldados romanos. O sacrifício da crucificação é discorrido acompanhando o sofrimento de Jesus.

Na homilia, Dom Manoel Delson lembrou da atitude única de Jesus para nossa salvação e que devemos acolher essa ação em nossos corações. A morte do filho de Deus tem outro significado, além do nosso entendimento, isso porque Jesus assumiu a condição humana e enfrentou todo o sofrimento para resgatar seu povo, derramando o seu sangue na Cruz.

A meditação dessa Sexta-feira Santa nos propõe a dimensão do gesto de Jesus, para que assim tenhamos gratidão pelo Salvador. Considerando a Quaresma uma oportunidade para que nos tornemos discípulos com compaixão, caridade, perdão e amor. "O nosso coração deve se tornar mais conciliador, somente assim a morte de Jesus não terá sido um ato sem efeito, correspondendo à essa dádiva permitindo que a luz do crucificado ocupe nossas vidas", disse Dom Delson. 

Na ocasião, o Administrador Diocesano abriu um paralelo entre a traição de Judas contra Cristo para criticar o atual cenário político brasileiro, que está inundado de corrupção em todos os níveis de poder, o que demonstra claramente a traição daqueles que receberam um voto de confiança do povo para governar com justiça e decência. Entretanto, as últimas notícias contra os representantes políticos foram assustadoras do ponto e vista moral e cristão. "Não podemos baixar a cabeça e concordar com essas atitudes, a igreja alerta para que façamos uma escolha correta", completou Dom Manoel Delson.

A celebração foi encerrada com a procissão da imagem Senhor Morto pelas ruas adjacentes da Catedral, momento de tradição e fé que os católicos campinenses seguem reproduzindo todos os anos, como ato Penitencial pela doação de Cristo ao seu povo. 

Texto: Fernando Nascimento (Pascom Catedral)
Fotos: Pascom Catedral

terça-feira, 11 de abril de 2017

A Catedral Diocesana de Nossa Senhora da Conceição celebra Missa de Ramos dando início a Semana Santa



A Catedral Diocesana de Nossa Senhora da Conceição celebrou na noite desse domingo, 09, a tradicional Missa de Ramos presidida pelo Pároco, Pe. Luciano Guedes. Esse momento marca a entrada de Jesus Cristo em Jerusalém e inicia a Semana Santa vivida pelos católicos de todo o mundo.
No Evangelho de Mateus descreveu-se a Paixão de Jesus Cristo desde a traição de Judas, que dentre os 12 discípulos, teve essa conduta pela recompensa de 30 moedas. Relata-se também, nessa passagem da sagrada escritura os preparativos para a Páscoa e a última ceia de Jesus antes de ser entregue aos fariseus. O dilema vívido por Pedro diante a sua negação como seguidor de Cristo, o flagelo de Jesus e a atitude do Governador Romano, Poncio Pilatos, que lavou as mãos diante da escolha do povo para que Cristo fosse crucificado ao invés de Barrabas. 
A imagem pode conter: 2 pessoas, pessoas em pé e plantaNa homilia, padre Luciano Guedes destacou a importância da semana que segue, recordando que a narração da paixão de Cristo diminui a nossa fraqueza porque não é um fato isolado de dois mil anos atrás, essa trajetória fala da história de cada pessoa. O pároco lembrou que drama da Paixão é o drama da humanidade, que consiste em muitas contradições.
Por meio da leitura do Santo Evangelho escrito por Mateus, entendemos que a cortina se rasga porque a esfera de Deus não pode se comprometer com as traições humanas. Dizemos que Jesus é o messias e o salvador porque ele realizou tudo o que nós não fizemos. "Os ramos apresentados nessa Santa missa é um sinal que reconhecemos Jesus como senhor. A Semana Santa deve servir para que nos questinemos sobre quem somos de verdade e qual personagem da narrativa da Paixão se assemelha a cada um de nós", disse padre Luciano Guedes.
A celebração de Ramos apresenta um duplo mistério, a contradição humana que reconhece e ama Jesus Cristo, mas também expõe a capacidade que temos de traí-lo e crucificá-lo. Entretanto, quem olha para Jesus aprende aprende a ter misericórdia diante das incertezas humanas, cheias de luz e trevas. Na Semana Santa devemos buscar com piedade o espírito da conversão.

Texto: Fernando Nascimento (Pascom Catedral)
Foto: Pascom Catedral

terça-feira, 4 de abril de 2017

Caminhada Penintencial para Lagoa Seca reúne milhares de fiéis

A Catedral Diocesana de Nossa Senhora da Conceição realizou na manhã desse domingo, 02, a 19a Caminhada Penitencial, esse momento acontece durante a Quaresma em que os fiéis vão em direção ao Convento Ipuarana na cidade de Lagoa Seca. A celebração teve início às 5h30 com a Missa celebrada pelo pároco, Padre Luciano Guedes.

No Evangelho de João fomos lembrados dos milagre de Jesus que ressuscitou Lázaro que já estava morto há quatro dias, então Cristo pedindo que removessem a pedra do túmulo de Lázaro, fez uma oração a Deus e chamou Lázaro para fora.

Na homilia, Padre Luciano Guedes lembrou aos fiéis o sentido da Via Sacra, que significa Caminho Sagrado, trajeto que todos fariam em direção ao Convento Ipuarana. "Que nessa caminhada Jesus possa nos dar a contemplação, abrindo os caminhos para a vida", disse o pároco.

A Caminhada Penitencial agrega durante o percurso, os pedidos do povo que vão sendo apresentados, com uma prece em especial, para que renunciemos a tudo o que representa a morte, a escravidão e o pecado. 

Durante o trajeto da Catedral até o Convento Ipuarana, os fiéis cantaram e rezaram às estações da Via Crucis, remontando o caminho de Jesus no calvário. Tornando-se assim um pedido da alma de cada Cristão, com os corações penitentes buscam a Deus.

A Caminhada Penitencial foi encerrada no Convento Ipuarana Com a Bênção do Arcebispo eleito da Paraíba, Dom Frei Manoel Delson. O Padre Luciano Guedes agradeceu o empenho das pastorais, da Polícia rodoviária Federal, da STTP e a todos colaboradores.

Na oportunidade os fiéis rezaram por Dom Manoel Delson, que vai seguir na evangelização na arquidiocese da Paraíba, na capital Paraíba. "Já sinto muita saudade, porque todos os anos em que estive à frente da diocese de Campina Grande estive presente em todas as caminhadas, minha relação com Campina Grande sempre foi muito boa, aprendi a amar essa cidade e agradeço todo o afeto de todos os fiéis", disse o Bispo.

Texto: Fernando Nascimento (Pascom Catedral)


Fotos: Pascom Catedral